quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Capitulo 34 - Pessoa Idiota

Natty: on
Alguns dias se passaram, tipo uma semana. O aniversário da Emi era depois de amanhã! Viva ela. Nick continuava saindo com suas amigas, e eu em casa sofrendo. Todo dia ele saia com alguém, parecia que não ligava para o que aconteceu.

Se ele quer guerra, ele vai ter. Liguei para Sean (a gente havia se tornado mais próximos esses dias) para chamá-lo pra sair. Queria chamar a atenção de Nick, fingir para todos que eu não ligo e que estou bem. Queria vê-lo sofrer, se o que Emi me disse foi verdade. Mas ele também me provocava.

- Você sabe porque estou fazendo isso. - fiz uma afirmação mas deixei clara um tom de pergunta.

- Sei. - ele respondeu. - Quero te ajudar, porque achei muito estúpido o que ele fez com você. - ele realmente parecia feliz em enganar Nick, pois seus olhos brilhavam .

- É por isso que eu te adoro! - respondi animada. Emi me mataria se soubesse o verdadeiro motivo de chamá-lo para sair. Twittei que estaria no tal restaurante jantando com um amigo, enquanto ele me levava até o lugar marcado. Queria chamar atenção para que Nick visse.

Então entramos e fomos fazer o pedido. Sean foi educado e pediu para mim também. Ele soube exatamente o que estava na minha mente.

Estava me divertindo muito. Não precisava fingir. Lembrei como era legal estar com os amigos de Los Angeles.

Não tinha jeito de não pensar em Nick quando parávamos de conversar. Eu o via, quando Sean dizia que eu estava bonita ou quando sorria torto.

- Adorei quando você cantou Inseparables em Nova Iork.

- Você estava lá? - perguntei voltando da minha ilusão. Interessei pela conversa.

- Estava. Fui fazer um teste lá, então decidi ver você e a Emi. - ele falou num tom obvio.

- Porque você não avisou? - perguntei novamente.

- Não queria atrapalhar. Agora é uma ironia. - Vi Nick de novo. Senti culpada por estar usando Sean e enganando todos, mas acho que provocar Nick nesse momento é melhor. Mas  mesmo assim o comentário dele me derrubou.

- Não está ajudando. - disse rindo.

- Espero que esteja se divertindo. - ele olhou para baixo.

- E estou. - sorri para deixá-lo feliz. Não menti. - Sério mesmo - sorri para ele.

Vi que Sean ia começar a falar alguma coisa séria, parecia algo muito sincero, mas meu celular tocou. Ele olhou para o lado meio desapontado.

- Desculpa. - respondi vendo seu desapontamento. - Preciso atender, pode ser importante. - Por que sempre alguém quer me atormentar quando alguma coisa vai acontecer?

- Tudo bem. - ele sorriu. - Vai lá. - eu fui em direção ao banheiro.

- Oi Emi. - disse desanimada.

- Onde você está?  - Emi me perguntou sem dar nem oi.

- Estou aqui jantando com Sean na casa dele. - respondi despreocupada. Preferi mentir para ela não dedar à ninguém, ninguém como Joe. - Mas... Por que?

- Nick te ligou. - ela respondeu. Nesse momento meu sangue subiu. Eu não queria falar com ele depois do que ele me falou..

- E eu? - tive vontade de a pegar pelos cabelos. - O que você tem de importante para me falar?

- Quero te ver em casa as 23. - Emi disse dando uma de controladora. Não sabia que tinha duas mães.

- Tá! - disse mal humorada. - Mais alguma coisa mãe?

- Não. E para com isso. Não sou sua mãe. - ela disse brava. Ela não gostava quando eu falava assim. - Tchau.

Desliguei o telefone e na mesma hora chegou a mensagem de que Nick havia me ligado. Desliguei o celular para que ninguém me incomodar. Voltei para a minha mesa. Sean já tinha pedido a conta.

- Então, o que você ia falar? - perguntei a ele tentando voltar no assunto.

- Nada. - ele balançou a cabeça mostrando que era para eu esquecer. - Esquece. - confirmei minha suposição. Dei um sorriso do tipo "okay, você venceu". A conta chegou. - Eu pago! - ele já pegou a carteira.

- Não, eu pago o meu. - eu disse em defesa. - Por favor. É o mais justo e menos estúpido. - sorri com um as de superioridade. Sean sorriu e concordou.

- Tá bom. Só dessa vez. - sorri mais ainda. Pagamos a conta e não esperamos o troco. Saímos do restaurante e vi flashs. Sorri de novo porque era o que queria. - Seu plano deu certo. - Sean sussurrou no meu ouvido e eu ri.

Entrei no carro cega. Ele me levou em casa e eu o convidei para entrar. Emi não reclamou pois eram 21:45. Nós três, quer dizer quatro, porque Joe estava lá, ficamos conversando. Até umas dez horas, dae Sean disse que precisava ir embora. Eu o acompanhei até o elevador.

- Então... - ele disse - gostou de hoje? Se divertiu?

- Claro! - respondi com um sorriso radiante. - Faz tempo que não acontecia isso.

- Que bom.- ele olhou para mim. O elevador ainda estava no 12º andar. - Natty...- eu estava brincando com uma sujeira no chão. Nem vi quando ele me puxou e me beijou. Eu não entendi muito bem o que aconteceu, mas cai e mim e tive vontade de matá-lo. Empurrei o peito dele e me distanciei.

- O que você está pensando? - perguntei confusa.

- Desculpa... - ele começou a dizer - É que... - enquanto ele falava o elevador chegou. - Desculpa.

Fiquei imóvel por um momento tentando saber o que passou pela cabeça dele. Ele gosta de mim? Natalie tonta! Como você não viu que ele só saiu com você para passar ciúmes no Nick porque ele era meu ex-namorado? Burra, burra, burra! Batia na minha testa enquanto entrava e os dois pombinhos na sala me olharam. Fechei a porta meio que caindo em mim, só que mais profundo. Fiquei parada por um momento e sai andando para o meu quarto.

Natty: off

Emi: on


- Natalie! - eu gritei quando ela na escada. Queria saber o que aconteceu para ela estar se batendo e o que aconteceu no restaurante.


- Que foi?- ela disse numa voz meio amedrontada. Ela estava escondendo alguma coisa. - Tá, eu errei, desculpa.


- Não é isso! - pensei por um minuto. Ela devia estar querendo mostrar ao publico outra coisa que estava mesmo acontecendo - Mas pode ser também. Senta aqui agora. - Apontei para o sofá.


- Isso Natty. - Joe disse zuando. - Senta onde ela pediu que se não ela te bate. - Nós rimos e ela sentou descontraída, pelo menos parecia. 


- O que aconteceu ali fora? - quis saber. Vi que Joe se interessou na conversa. Ela olhou para o lado. - Fala! - mandei de novo.


- Hm...- ela me enrolou, só que não funcionou porque a olhei desafiando. Ela sabia que se eu quisesse Nick saberia tudo o que ela sente e faz. - Tá! Você me irrita às vezes. - ela olhou para mim - O idiota do Sean me beijou. 


Meu queixo caiu. Joe arregalou os olhos não acreditando. Balancei a cabeça tentando limpar a mente da cara que Nick faria quando Joe contasse isso para ele. 


- Não foi culpa minha! - disse ela na retaguarda. - Eu quis matá-lo, não sei o que deu na cabeça dele. Ele sabe que a gente é só amigos... - ela começou a falar para se safar.


- Eu sei que não foi sua culpa. - a tranquilizei. - Eu sei porque ele fez isso, porque ele gosta de você.


- É Natty. - Joe também disse também tirando a culpa dela. Nós sabiamos que ela ainda gostava do Nick. - Ele gosta de você. - ela relaxou no sofá. - A gente não conta pra ninguém.


- Ninguém, ninguém? - ela queria dizer: "Ninguém, Nick". 


- É - nós dissemos juntinhos.


- Tudo bem. - ela disse relaxando mais ainda. - juro que não foi minha culpa... - ela ai continuar, mas Joe a cortou.


- Quando um não quer, dois não brigam.  Mas tudo bem. Ele é um cara legal e eu deixo.


- Cala boca, Joe! - Natty bateu nele, foi bem estralado e deve ter doido.


- Não desconta em mim o que você quer fazer com o meu irmão. - ele falou passando a mão onde estava vermelho. Natty ocilou. Ela soltou um sorriso sinico e foi para o quarto. Eu o encarei. - O que foi?


- Você precisava mesmo falar de briga e de novo namorado? - perguntei ansiosa.


- Ah- ele caiu no que ele falou - Já foi - ele nem deu muita bola


- Ela gosta muito dele - disse passando a mão no seu peito- ela sofre muito.


- Não sofro não- ela gritou la de cima. Como era ela! escutando minha conversa!


- Natalie, evapora agora! - gritei como resposta. Joe sorriu enquanto me olhava pegar um amendoim, e eu encaixar a minha cabeça no sues braços


Joe segurou minha cabeça cuidadosamente. Não fiquei confortável daquele jeito, mas o olhando não liguei. Ele beijou meu lábios e eu me ajeitei. Logo o beijo se tornou feroz. ele passava as mãos desde minha cabeça ate  o final das minhas costas, me envolvendo. Senti meu corpo pegar chama  e ele era a agua, necessária. tratei de o apertar contra meu corpo. senti a temperatura aumentar, parei de o beijar e sorri afrouxando minha mãe do cabelo dele.


- Da última vez que se cataram aqui, alguns dias depois brigaram. 


- Mas eu não estou te catando, estou demonstrando meu amor.


- Gostei dessa definição - disse me sentando direito no sofá.


- Falando de amor... -  ele começou. - tenho que ter amor pela minha vida. E ela vai acabar se eu não for embora. - ele riu. - Minha mãe me mata. - eu ri


- Tá bom. - eu fiz biquinho. - Você só vai embora porque ela vai te matar.


Eu o levei até a calçada e nos despedimos sem muitas cerimônias. 


Cheguei em casa e fui falar direito com Natty. Ela me contou que não queria beijar Sean, mas ela nem viu quando ele a puxou. Natty se sentiu culpa por ter o beijado mesmo gostando de Nick. Ela me disse um monte de coisas que eu já sabia mas percebi que ela tentava esconder as entrelinhas, ela pensava muito no que falar. E estava funcionando. 

Um comentário:

ღ Ricele ღ disse...

bom só foi um errinho né
mas ta perfeito como sempre (;